sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Mentes constipadas

Quando você pensa que foi o suficiente, acontece algo a mais, para a sua surpresa. São casos em que te falta imaginação.

Dessa vez, foi com o consultório de dentistas que eu freqüento. Ali só há um Cristo que se salva, no caso nem dentista é. Belê, isso não muda o fato de que ali só tem mentes constipadas (as recepcionistas também entram na dança das mentes constipadas).

Como se não bastasse o fato de que, mensal e gentilmente, eu insiro em seus retos R$ 110,00, eles esquecem de me tratar com aquela porcentagem de respeito que todo mundo preza. Isso para, apenas uma vez por mês, eles trocarem uns ferrinhos nos meus dentes.

"Você tem que usar os elastiquinhos 24h por dia, Caio."
"Não posso, porque eu falo o dia todo, no trabalho e na escola, e os elastiquinhos me atrapalham."
"Eu tinha uma professora de faculdade que usava oito."
"Eu não sou sua professora de faculdade."

Então o sol quase ultrajante escondeu-se atrás das nuvens.

"Acontece que o organismo humano se adapta à tudo."
"Esse é o seu engano: eu não sou humano e meu organismo é rebelde."

Eu faço piadinhas sobre tudo nesse consultório - isso inclui a minha saliva.

E eu lá, todo mês enfiando uma boa parte do meu salário no bolso deles. Não vejo a hora de tirar esse aparelho.

2 comentários:

Ferdi disse...

Eu ri da sua piadinha e sou um dos poucos seres que adorava usar aparelho, talvez porque tenha ficado meses com ele, não sei.

Anônimo disse...

Estou com esse troço nojento na minha boca há quase dois anos e não vejo a hora de tirá-lo. Pelo menos vou tirar antes da hora, UHUL!

Obrigado pelo comentário, Ferdi (the first one).