quinta-feira, 7 de abril de 2011

Preciosidade desconhecida


Heathers (que saiu no Brasil como Atração Mortal), é uma agradável surpresa. É um filme marginal, meio que perdido no meio de tantos outros títulos, mesmo recebendo a etiqueta de cult following. Na época em que estreou nos cinemas, em 1989, recebeu elogios, mas foi um fracasso nas bilheterias. Winona Ryder e Christian Slater, os protagonistas, ainda eram recém-tirados do forno da indústria cinematográfica dos Estados Unidos. E o que poucos sabem, é que Heathers é um dos fundadores do gênero de comédias de colegial. Se não fosse por este filme, nem teríamos chegado perto de Meninas Malvadas, por exemplo, que aparentemente é um must see da lista de comédias adolescentes atuais.

Mesmo tendo a sua importância por ter influenciado muitos filmmakers, Heathers ainda continua invisível para muita gente. O roteirista responsável por este triunfo, Daniel Waters, é autor do roteiro de Batman – O Retorno, seu trabalho mais conhecido. Se você apreciou a proposta desse filme, saiba que Heathers não se encontra muito distante dele: é dark, repleto de piadinhas ásperas, e segue um caminho inimaginável. Trata-se da jornada de Veronica Sawyer (Ryder), que tenta fazer parte de um trio de meninas encapetadas e populares. Todas se chamam Heather. Veronica conhece o outsider J.D. (Slater) e iniciam um romance. Ao mesmo tempo, uma série de assassinatos e suicídios envolve a escola em que todos eles estudam. Essa sinopse tem seus efeitos repercutindo até hoje no cinema. Meninas Malvadas já foi citado, e podemos incluir nessa lista qualquer escrito de Diablo Cody, Ginger Snaps, uma comédia de horror canadense escrita por Karen Walton, e Kick-Ass, a comédia de aventura dirigida por Matthew Vaughn e escrita por ele em parceria com Jane Goldman. Todos esses filmes aproveitam o que suas épocas oferecem para se criarem e deixarem suas impressões sobre a realidade.

Veronica Sawyer e as Heathers. Malvadeza com absorventes.

Waters diz que Heathers é uma tentativa de mostrar a verdadeira natureza dos adolescentes e como funciona a sociedade no colegial. Bull’s eye! Se você se lembra dos tempos de escola, impossível não associá-lo à essência do filme. Todo mundo pode ser simpático e acrescentar boas coisas na sua vida, mas no fundo, no fundo, está todo mundo sozinho ou em grupos distintos, esperando pela oportunidade de usar o próximo como degrau. Pelo seu trabalho, Waters ganhou o Edgar Award de melhor roteiro em 1990, e o diretor Michael Lehmann e a produtora Denise Di Novi (produtora de vários filmes de Tim Burton), ganharam o prêmio do Independent Spirit na categoria de melhor primeiro filme. Winona Ryder ganhou o “Special Mention” do Torino International Festival of Young Cinema. Heathers vende muito bem em outras mídias, o que reforça seu status de cult.

Os papéis de Veronica e J.D. chegaram perto de pertencer a Jennifer Connelly e Brad Pitt. Connelly recusou e Pitt foi considerado “muito simpático” para o papel. Winona Ryder implorou a Waters para ter o papel de Veronica. O agente dela disse que fazer parte desse filme jogaria sua carreira no lixo. Os pais de Heather Graham preferiram que ela não participasse do filme por conta de seu conteúdo obscuro. A integrante do elenco Kim Walker, a Heather Chandler, morreu de tumor cerebral há alguns anos. Ironicamente, em uma cena do filme, ela pergunta a outra Heather: “did you have a brain tumor for breakfast?”. Parece que o esse filme tem de dark, se expandiu para a atmosfera em volta dele. Entre outros gols, Heathers vale pela frase da antológica cena de abertura no refeitório: “fuck me gently with a chainsaw!”, e, é claro, por ser esse poço de ácido. Só que cair nele pode ser finger-lickin’ good.



---

Essa resenha também está no Under Thunder, a convite do meu amigo Emílio (e ela é MINHA, não copie. Se copiar, será despedaçado).

Nenhum comentário: